Grace Kelly foi uma das mulheres mais marcantes de Hollywood, e até hoje é difícil encontrar uma atriz que se iguale a essa musa em termos de beleza, classe e talento. Estrela de produções como Disque M para Matar e Janela Indiscreta, do gênio do cinema Alfred Hitchcock, Grace chegou a ganhar um Oscar em1955 por Amar é Sofrer.

Não é complicado de entender por que ela arrasava corações dentro e fora das telas ― de Carry Grant à Mohammad Reza Pahlevi (o último xá do Irã), todos se apaixonaram por Grace. Ela chegou a ser uma das mulheres mais fotografadas do século 20. Porém, foi Rainier III, o príncipe-soberano de Mônaco, que levou a melhor na disputa, e a transformou em princesa do microestado, apesar de ambos afirmarem que não foi amor à primeira vista. Na verdade, quando se conheceram em Cannes, durante uma sessão de fotos, Grace estava bastante irritada com Rainier, já que ele chegou atrasado e a deixou esperando por algum tempo. Cá para nós, não deviam ser muitas as pessoas que faziam isso com a diva…

Apesar de viver uma vida que muitos considerariam um conto de fadas, há boatos de que Grace Kelly não era feliz morando no sul da França, e sentia saudade dos Estados Unidos, seu país de origem ― além de sua carreira, que largou espontaneamente pelo casamento. Aliás, o marido era tão ciumento que chegou a banir os filmes de Grace do principado de Mônaco!

No entanto, a atriz viveu lá até o final de sua vida, que foi encerrada tragicamente num acidente de carro, em 1982. Existem várias teorias sobre sua morte: algumas dizem que era sua filha mais nova, Stéphanie, que dirigia o veículo, já outras insistem que o acidente foi arranjado por tradicionalistas descontentes de ter uma estrangeira como primeira-dama do principado.

Dona de um bom gosto impecável, Grace Kelly era e é um dos grande ícones do estilo clássico. De princesa de Hollywood à princesa de Mônaco, ainda serve de inspiração para muitas mocinhas por aí, não é mesmo?

Post Anterior

Fazendo a cabeça

Próximo post

Burlesque Inspired