Desejo que no ano que vem você possa rir um pouco mais de si mesmo. Que você possa, inclusive, achar graça de um comentários maldoso a seu respeito. Que você transmita o que gostaria de receber. Que você entenda que nem sempre vão acreditar em você, não importa o quão maravilhosas sejam suas intenções falando a verdade. E que isso não te faça uma pessoa desacreditada. Que você encontre alguém que não estava procurando. Que você encontre algo ou alguém que te faça sorrir todos os dias, mesmo longe. Que você ame um cachorro. O animal e o cafajeste – os dois te fazem aprender muito sobre a vida. Mas que você saiba a hora de abrir mão de pessoas que não te fazem mais bem. Que você seja apaixonada pelo seu trabalho. E se você não for, tenha coragem de deixa-lo. Sem dó. Sem medo. Que você não engane ninguém – principalmente quem você ama. Que você aprenda, de uma vez por todas, que tudo que vai, volta. Aprenda que todos esses clichês, são verdades mascaradas de poesia. Desejo que no ano que vem você aprenda a perdoar, a tentar novamente, a pensar menos no que “os outros vão pensar”. Aliás, desejo que você pense menos. Bem menos. Deixe seu coração atuar mais do que seu cérebro. Desejo que você volte a acreditar no amor. Ou nunca desista. O que eu desejo pra você em 2013, é que seu único medo seja cair por estar voando tão alto.

Post Anterior

Costas de fora

Próximo post

Aposte: boca nude