Com esta onda de terremotos, tsunamis e os boatos de que o mundo acabará em 2012 entramos correndo para ter cada dia mais certeza do futuro. Ninguém consegue conviver com a insegurança. Enquanto aqui no Brasil as “desgraças naturais” acontecem em menor proporção que em países como o Japão, vamos nos ocupando com previsões menos catastróficas.

Nós mulheres muitas vezes temos o incrível poder de sofrer por antecipação. Os fatos nem se consumaram e já traçamos mil estratégias, já fizemos previsões, estudamos o histórico e já estamos pensando em desmarcar o encontro que nem aconteceu ainda pensando que não vai dar certo. Mas que mania terrível! Que mania nossa memória tem de nos lembrar de casos passados quando algo do presente se mostra familiar, e logo vem a frase: “O fulano era exatamente assim”!

Nós desejamos ser surpreendidas, mas ao mesmo tempo queremos prever tudo. Queremos tarô, horóscopo, vidente, baralho cigano, queremos bola de cristal e tudo mais que possa nos adiantar o que valerá a pena e o que será perda de tempo. Queremos estar prevenidas quando as coisas começarem a acontecer!

O cúmulo da insegurança: ver as previsões astrológicas para o signo dele. É incrível como permitimos que nossos desejos sejam guiados por “forças do desconhecido”. E quanto mais a gente lê sobre horóscopos e signos mais a gente acha que entende do assunto. Já descartei várias combinações, definitivamente gêmeos não combina com capricórnio, assim como aquário, sagitário e virgem. Conheci um cara novo, bonitão, alto, moreno, viajado, inteligente e ariano. Vamos lá: Google, tudo sobre Áries! Aaah, na nossa combinação astral dizia que “A necessidade de Áries por aventura e novidades deixará capricórnio de cabelos em pé, pois acionará os seus medos.” Vou ligar para ele agora e cancelar o encontro de sexta. Tudo que eu não preciso é de outro cachorro na minha vida, já passei por isso antes e não quero me deixem novamente de cabelos em pé!

Levanta a mão quem já passou por isso antes?

Me disse uma vidente que no segundo semestre vai aparecer no meu caminho um moreno, forasteiro que será muito especial na minha vida. Pronto! Em julho todos os radares estarão ligados, quem sabe até uma vigília na porta de algum hotel seja interessante para facilitar a aproximação com o futuro desconhecido!

Como perdemos tempo! E ficamos tão focadas nisso que as vezes perdemos a consciência da realidade. Nossa mente está tão ocupada em encontrar o que foi previsto que não nos permitimos mais sermos surpreendidas.Nosso medo de viver um futuro diferente do que sonhamos nos paralisa. Desejamos tanto estar seguros que o fato de viver o desconhecido acaba sendo descartado antes mesmo de darmos o “play”! As previsões são uma maneira de nos iludirmos de que estamos certos a respeito daquilo que devemos ou não fazer. Se o horóscopo dizia que o dia hoje seria de aconchego no lar, ok, não sairei, vá que alguém bata a minha porta ou entre pela chaminé. Se a cigana leu na palma da minha mão que terei 5 filhos, já vou começar desde agora a comprar fraldas e procurar um progenitor com uma boa condição financeira.

Mas a certeza que não temos é que não há carta de tarô, nem previsão astrológica que possa prever o prazer que uma surpresa possa causar. Sair de casa. Se mostrar para o mundo. Estampar o sorriso no rosto. Viajar. Encontrar os amigos. Abrir o coração e espairecer a mente. Conversar com um desconhecido na rua. São nestes pequenos fatos que nascem as maiores surpresas. O prazer de viver o imprevisível não aparecerá em nenhuma combinação astrológica!

E quanto a Áries e capricórnio, dane-se, minha felicidade não pertence a signo nenhum!

__________________________________________________________________________________

Por Niqui Nazer
Longe do Óbvio @longedoobvio

Post Anterior

Pentes e penteados

Próximo post

Ilustrando