Posts tagueados

indireta

Refletindo

Quanto tempo leva para esquecer um amor? Depende de cada pessoa, mas há estudos que apontam uns dois anos com o nosso pensamento dominado por alguém em especial. Como se o sentimento fosse uma ciência. A verdade é que pode levar alguns dias, meses, ou anos, claro. Em alguns casos, nem uma vida é o suficiente para esquecer. Esquecer significa não sentir mais nada? Nem sempre. Superar um amor antigo não quer dizer que ele não será mais lembrado. Esquecer é um termo equivocado, representa uma ação do coração, mas a semântica indica uma atitude do cérebro. Esquecer é deixar de amar, mas não apagar da memória. Impossível tirar totalmente da cabeça quem um dia nos provocou sorrisos. Não há como eliminar alguém que foi motivo da nossa felicidade, pelo menos por algum tempo. Existem pessoas que nasceram para mexer com a gente. Não importa o que façam, o que

Leia Mais
Refletindo

Somos românticos? Claro que somos. Todos nós, sem exceção. Até o mais bruto dos homens sucumbe ao sorriso da mulher amada. Nenhuma mulher leonina resiste ao perfume marcante daquela pegada com jeito. Não importa a forma, o lugar, ou o gesto. O romantismo não é antiquado. É vanguardista e segue a magia do tempo. Convence o coração, seduz o ponto fraco e desmonta qualquer armadura emocional. Romantismo não é piegas. Clichê é não amar. Não falo de uma convenção social de mandar flores, abrir a porta do carro, ou pagar o jantar. Romantismo é mais do que isso. É surpreender a rotina, desafiar o óbvio, aventurar a relação. Ser romântico também é saber sossegar quando ela precisar de colo. Não há cortejo maior do que cuidar do outro. Romantismo é avisar que chove lá fora, levar um chá de hortelã na cama sem ela pedir, passar no shopping e lembrar

Leia Mais
Refletindo

Se você precisa mesmo ir, então vai. Não sou eu quem vai lhe abrir a porta e lhe mostrar o caminho sem volta daquelas ruas e de um mundo inteiro longe de mim, longe de nós. Mas, se você já conhece o percurso e isso lhe atrai, também não sou eu quem vai te segurar. Afinal, o que estaria ao meu alcance para impedí-lo se eu já nem te alcanço mais? Não vou esconder suas roupas, suas chaves, seu passaporte, seus documentos. Não vou amarrá-lo ao pé da minha cama, nem me jogar aos seus pés implorando pela sua presença, pela sua permanência. Se eu bato os pés e puxo os cabelos, se eu grito seu nome, se eu seguro os seus braços, vou estragar tudo; vou derramar luto sobre uma história que foi tão colorida enquanto durou. Vou sentar e assistir a tudo com calma. Porque permitir que você

Leia Mais
Refletindo

Sento na mesma cadeira de sempre e, abraçada ao mesmo travesseiro de sempre, eu solto o mesmo suspiro de sempre e finjo me importar com o que está passando na televisão. Mas no fundo eu não me importo. E como sempre, eu apenas assisto. Esse é um daqueles momentos mais para dentro, sabe? É um daqueles momentos egoístas de domingo, de quando os jornais mostram divisas de territórios em crise, parentes esquecendo que são parentes para ganhar alguma vantagem, dinheiro sujo circulando em lavagens que nunca o tornam limpo… esse é um daqueles momentos em que as coisas parecem desmoronar aos poucos, e o comercial da Coca Cola tenta amenizar os impactos dizendo que os bons são maioria. E devem ser. Mas os bons também têm seus momentos mais para dentro e por algumas horas eles também não se importam. Sei disso porque não sou uma pessoa má, entende? Mas

Leia Mais
Refletindo

Por que insistimos em gostar de quem não gosta da gente? Talvez seja pela nossa necessidade de autoafirmação, de ser desafiado como todo ser humano, na eterna busca pelo improvável. Dizem por aí que as mulheres gostam de um desprezo. Discordo. Mulheres gostam de carinho e esse certo masoquismo emocional não é exclusividade das fêmeas. Eles também adoram uma negação. Estimula a sedução. Todos nós já tivemos um amor bandido, aquela paixão por quem não nos merece. Uma incrédula submissão, de um jeito que nosso próprio espelho desconhece. E por que continuamos tentando, mandando aquelas mensagens na madrugada? Sei lá, maldito coração, ele escolhe errado e o corpo padece. Aquele carinha bonitinho é tão carinhoso, me elogia no facebook, me dá “bom dia” todas as manhãs. Qual é o meu problema? Fico pensando naquele idiota que ignora meus torpedos, meus olhares. Babaca, estava com aquela barba por fazer, ontem à

Leia Mais
Refletindo

Click é aquela sensação de que alguma coisa se modificou dentro da gente. É uma interrogação que o corpo se faz, um arrepio sem procedência, um sorriso espontâneo provocado pelo timbre da voz. Click é um sinal interno de que o seu dia mudou de nome a partir de então. Nunca esperamos o click. Pode ser num olhar, numa conversa ao telefone, ou em um esbarrão no meio da festa. Naqueles segundos em que os corpos se encontram, mas não se enxergam, você já sente algo estranho, familiar. O click é um sentimento confuso, sem identidade, chega quando quer e entra no peito sem avisar. Certa vez, o click apareceu antes mesmo de conhecê-la pessoalmente. Só de ouvir falar nela, senti uma empatia genuína, um carinho instantâneo e, a partir dali, minhas reações extrapolaram qualquer normalidade aparente. Eu só provocava um assunto com nosso amigo em comum. Sem me dar

Leia Mais
menina livre
Refletindo

Te conheço muito bem, vejo que você tenta, tenta, e tenta mais uma vez. E me diz, pra quê? Pra que continuar insistindo em mais do mesmo? Pra que ficar criando e fantasiando uma realidade não compartilhada, que sempre que pode, dá um jeito de acabar com você? Não tem coisa mais difícil do que esperar sem saber o que te espera, pago pra ver desafio maior. Você quer se sentir forte, gosta disso… Quer mostrar que aguenta e que cada baque é uma espécie de degrau, mas se esquece de que esse degrau está na escada da mágoa, não na escada da força, nem da confiança, e nem perto da felicidade. Acorda, menina! Olhe pra você, enxergue dentro de você! Perceba que pessoa linda você é, que amigos lindos você tem, e pare de se sentir um mártir, achando que respirar fundo é a solução pra todos os seus

Leia Mais
Refletindo

A briga é o grito do relacionamento, explosão do desconforto, suspiro da raiva. Há quem goste de brigas, apenas para movimentar a união. Pessoas que precisam do caos para organizar a rotina, necessitam da dúvida para encontrar as respostas. Quem pensa assim, entende que a briga reinventa a relação. Na briga, dizemos o que o orgulho manda. Ao esbravejar, somos cúmplices da crueldade e nosso principal objetivo é ferir o outro. Duelo entre teimosia e ódio, numa disputa em que ambos saem derrotados. A cabeça ferve, a língua age e o coração sai machucado. A briga está intrínseca ao lar, faz parte da mobília do casal e, dependendo da intensidade, desarruma a casa de vez. Brigas fazem parte, ensinam e transformam o namoro ou casamento. O problema é o excesso. Reclamação em ousadia pressupõe insatisfação constante, quase infelicidade. Nessa hora é preciso discutir consigo mesmo a razão de insistir nessa

Leia Mais
Refletindo

Alguns conhecidos me disseram que nós dois somos contagiosos. Nós dois e esse nosso sentimento absurdo de tão terno. Nós dois e essa ternura absurda de tão grande, de tão quente, de tão espontânea, de tão ingênua. Me disseram que somos contagiosos porque levamos os outros a quererem uma ternura semelhante à nossa. E quem não quer?, eu me pergunto. Quem não quer ser um de nós, e deitar a cabeça sobre o peito do outro para dormir em paz? Quem não quer os nossos abraços de reencontro – que são os mesmos depois de poucas horas ou de uma semana inteira sem nos encontrarmos – sempre entusiasmados e apertados como um nó? Afinal, é isso que somos, um nó. Somos um só. E quem não quer ser um só, feito de dois?, pensei com meus botões. Se há alguém nesse mundo que prefira ser sozinho – e deve haver

Leia Mais
Refletindo

Minha boca estúpida revelou, mais uma vez, pensamentos sombrios. Não, devaneios. Só disse demais e estragou o que a gente tinha de melhor. O que eu tinha de melhor, que era você. Tudo o que eu sei é que o que você sentia por mim mudou completamente. E você pode dizer que me ama, que está tudo bem e que vamos superar todos os empecilhos juntos, mas quando pego esse seu olhar vago enquanto converso sobre sentimentos, me desespero. Cresci sabendo que temos que pensar antes de falar, que precisamos filtrar nossos sentimentos e emoções pra não machucar quem está ao nosso redor, mas minha boca estúpida com a mesma mania de intensidade de sempre disse tudo o que veio à mente, desse jeitinho mesmo, na lata. Sei que no meio de tantos gritos, verdades e desabafos deveria conter coisas que eu penso quando te olho. Acho que nunca te

Leia Mais