Posts tagueados

love

Refletindo

Abrir os olhos e saber que alguém espera por você. Saber, que além da sua mãe e o pai, alguém realmente espera que você chegue bem em casa depois de um dia longo e cansativo. Alguém que deseja dividir os sonhos, as risadas, os finais de tarde de um fim de mês agitado. Uma figura que faz seu coração pulsar com vontade, aquela vontade de enfrentar o mundo, enfrentar os problemas enquanto segura uma mão. Um coração impulsionado pelo entrelaçar dos dedos que ficam pendentes enquanto você caminha. Caminha na rua, no shopping, na vida. Que o sentido da vida é pra frente disso todo mundo sabe; agora, quem é que sabe qual é o sentido de ir pra frente? Qual a motivação de não dar passos pra trás? Te afirmo, por conhecimento de causa, que não é a dor. A dor te faz estagnar. O motivo de você caminhar

Leia Mais
Refletindo

Amor bom é esse que chega de mansinho, bem devagarinho, sem causar muito auê. Não me leve a mal, não estou diminuindo os sentimentos de ninguém, mas a paz de um amor tranquilo me traz muita felicidade. É que eu me cansei de viver a vida em perigo a todo momento. Um dia, pode ter certeza, você vai se cansar do medo, da insegurança, da inconstância e vai querer qualquer tipo de certeza que te dê coragem e firmeza. Eu vivi a mil por hora e tive alguns acidentes que me causaram feridas profundas. Não que não tenha valido a pena, sabe? Mas é que sei lá, alguns machucados demoram muito a sarar. E cicatrizes doem bastante conforme a lua muda, vai entender. Já vivi o amor em sua totalidade, pela metade, já amei sozinha e fiz loucuras. Aprendi também que ele não precisa ser devastador o tempo todo. É

Leia Mais
Refletindo

Não adianta insistir, algumas coisas possuem um prazo de validade na nossa vida. Pessoas também. Não raro, ignoramos certos sinais, claros e evidentes, que tentam nos mostrar o encerramento de um ciclo. Não enxergamos porque o coração não deixa. Ou não quer. Não nos ensinaram como dizer Adeus, ainda mais no pleno do sentimento. Um dia a gente descobre que amar não é o suficiente. Não existe felicidade diária, ou um relacionamento sem divergências. Uma relação pode, inclusive, terminar sem brigas. O que indica o fim é exatamente uma ausência de reação que o outro possa lhe causar. Pro bem e pro mal. Se o abraço dele não lhe provoca mais aquela sensação de conforto, é hora de repensar a paixão. A harmonia até existe, um entra pela casa e já vai lavando a louça, enquanto o outro deixa o lixo ao sair pela porta. Ao deitar, o casal promove

Leia Mais
Refletindo

Amor platônico é juvenil, não importa a idade. É uma vulnerabilidade constante, insegurança para qualquer passo em direção à pessoa desejada. É uma certeza de que tudo pode e vai dar errado no momento em que tentarmos quebrar essa fria distância entre os corpos. Amor platônico é amor só no nome. Sentimento indecifrável, mais parecido com encantamento e ilusão. Ocorre pela vontade de se apaixonar. É a idealização da paixão num biotipo específico, a necessidade de projetar em alguém o desejo por ser feliz. Amor platônico sonha ser correspondido e então desperta para uma realidade distante. Ele não me olha. Ela nem sabe meu nome. Sofremos com isso na escola, na adolescência, com o vizinho gato e o primo impossível. Mal conhecemos e já amamos. Amor na forma de falar, um amor totalmente condicional, que sobrevive apenas na fantasia da realidade. Platônico de Platão, que idealizava um amor sem cunho

Leia Mais
Refletindo

Quanto tempo demora até que o amor passe? A gente abre a roda, dá caminho, empurra, faz biquinho e nada faz com que ele siga em frente. O fim do amor é mais trágico que o final de qualquer relacionamento. Como encarar esse novo estranho que permaneceu tanto tempo nos capítulos da nossa vida? Como sentir o toque da mão e não estremecer? Como receber uma SMS e não sentir o estômago revirar? O fim do amor, além de triste, é sem graça. Aliás, cadê o seu sorriso? O fim do amor é fazer juras de que nunca mais voltará atrás. E diferente das outras vezes, não se contradizer. É separar as roupas, os objetos, os lugares preferidos e os amigos. É deitar sozinho sem ter em quem pensar e chorar em uma madrugada qualquer. Sentir o fim do amor é ter saudade. Ou não, salvo exceções. Vivenciar o fim

Leia Mais
Refletindo

Quanto tempo leva para esquecer um amor? Depende de cada pessoa, mas há estudos que apontam uns dois anos com o nosso pensamento dominado por alguém em especial. Como se o sentimento fosse uma ciência. A verdade é que pode levar alguns dias, meses, ou anos, claro. Em alguns casos, nem uma vida é o suficiente para esquecer. Esquecer significa não sentir mais nada? Nem sempre. Superar um amor antigo não quer dizer que ele não será mais lembrado. Esquecer é um termo equivocado, representa uma ação do coração, mas a semântica indica uma atitude do cérebro. Esquecer é deixar de amar, mas não apagar da memória. Impossível tirar totalmente da cabeça quem um dia nos provocou sorrisos. Não há como eliminar alguém que foi motivo da nossa felicidade, pelo menos por algum tempo. Existem pessoas que nasceram para mexer com a gente. Não importa o que façam, o que

Leia Mais
Refletindo

Nem sempre amamos de cara, no primeiro olhar, naquele impacto da apresentação formal. É possível brotar um sentimento logo no primeiro encontro, mas o melhor mesmo é quando vai acontecendo aos poucos e a gente nem percebe. Desse jeito, o amor chega para ficar. Em alguns casos, aquele encantamento inicial nos surpreende de tal forma, que temos a certeza de que algo diferente vai acontecer. Temos quase convicção de que encontramos alguém especial e que tudo vai se modificar a partir de então. Nem sempre. Muitas vezes esse assombro no peito causa um furor efêmero. Vai embora como chegou. Coisas que a alma da gente não explica. Sintonia instantânea, afinidade relâmpago, atração exclusiva para aquele momento. Amar no segundo ato significa apaixonar-se após conhecer, perceber as nuances da personalidade alheia durante a rotina, encantar-se pelo mau humor dela numa manhã de terça-feira. Não sentimos como começa, pois o sentimento entra

Leia Mais
Refletindo

A briga é o grito do relacionamento, explosão do desconforto, suspiro da raiva. Há quem goste de brigas, apenas para movimentar a união. Pessoas que precisam do caos para organizar a rotina, necessitam da dúvida para encontrar as respostas. Quem pensa assim, entende que a briga reinventa a relação. Na briga, dizemos o que o orgulho manda. Ao esbravejar, somos cúmplices da crueldade e nosso principal objetivo é ferir o outro. Duelo entre teimosia e ódio, numa disputa em que ambos saem derrotados. A cabeça ferve, a língua age e o coração sai machucado. A briga está intrínseca ao lar, faz parte da mobília do casal e, dependendo da intensidade, desarruma a casa de vez. Brigas fazem parte, ensinam e transformam o namoro ou casamento. O problema é o excesso. Reclamação em ousadia pressupõe insatisfação constante, quase infelicidade. Nessa hora é preciso discutir consigo mesmo a razão de insistir nessa

Leia Mais
Refletindo

Alguns conhecidos me disseram que nós dois somos contagiosos. Nós dois e esse nosso sentimento absurdo de tão terno. Nós dois e essa ternura absurda de tão grande, de tão quente, de tão espontânea, de tão ingênua. Me disseram que somos contagiosos porque levamos os outros a quererem uma ternura semelhante à nossa. E quem não quer?, eu me pergunto. Quem não quer ser um de nós, e deitar a cabeça sobre o peito do outro para dormir em paz? Quem não quer os nossos abraços de reencontro – que são os mesmos depois de poucas horas ou de uma semana inteira sem nos encontrarmos – sempre entusiasmados e apertados como um nó? Afinal, é isso que somos, um nó. Somos um só. E quem não quer ser um só, feito de dois?, pensei com meus botões. Se há alguém nesse mundo que prefira ser sozinho – e deve haver

Leia Mais
Refletindo

Eu sempre soube que no dia em que um cara batesse à minha porta com flores escondidas às suas costas, ele não seria o primeiro no mundo a ser romântico. Sempre soube que flores, bombons, chocolates, ursinhos de pelúcia e declarações de amor estão entre os ítens mais batidos e clichês da escola de relacionamentos. O grande trunfo de originalidade é ser sincero, e nunca – jamais – banalizar gestos demonstrativos de afeto. Porém, sempre achei lindo flagrar um marmanjo andando pelas ruas com um ramalhete em mãos. E a verdade é que fico tão encantada que nem me pergunto se a ação é espontânea – vou logo achando que carregar as rosas para lá e para cá já prova a sinceridade. E quando sou abençoada com um desses flagrantes, fico imaginando quem será a sortuda prestes a receber as flores, qual será sua reação, se há algum motivo especial

Leia Mais