Posts tagueados

textinhos

Refletindo

É complicado sabe? Essa coisa de gostar nunca foi o meu forte. Eu sempre escorreguei em algum tópico que era necessário pra fazer as pessoas ficarem e no fim das contas sempre pareceu que a culpa era minha, entende? Se esforça pra entender meus traumas e talvez assim você compreenda quem eu sou hoje. Infelizmente são eles que me fizeram ser assim, insegurança que transborda. Porque em fotos é fácil sorrir, achar frases de incentivo e fazer todos acharem que não doí, que nunca doeu e que a mulher maravilha sempre foi minha inspiração, quando na verdade eu estou bem mais pra Bela Adormecida, que se escondeu em uma torre na esperança de ser salva. Não tinha mais forças pra lutar, sério! Estava cansada e ficar presa na torre parecia a melhor opção pra fugir da realidade turbulenta que existia ao meu redor. Até que eu fui salva pelo amor,

Leia Mais
Refletindo

Por aqui as coisas sempre foram uma bagunça sabe? Sinto informar que nada esta diferente por hora. A realidade é que as coisas continuam devidamente colocadas fora de seus respectivos lugares de origem. O fato é que eu não tenho paciência de arrumar tudo isso sozinha, entende? Gosto de terminar as frases com perguntas pra ver se assim, por alguma sorte de um acaso qualquer, eu consigo organizar pelo menos as questões que ecoam na minha mente durante todo o dia. Talvez você possa me ajudar, talvez não, vai saber. Me peguei contando um fato romântico que aconteceu na vida de uma amiga para outra amiga e finalizei o texto dizendo que aquilo havia sido tão lindo que eu quase acreditei no amor outra vez. Quase. Depois disso parei alguns segundos para entender o que eu havia dito. Como assim eu quase voltei a acreditar no amor? Qual foi a

Leia Mais
Refletindo

Eu sou o tipo de pessoa que quando ama, ama muito. Ama demais, pra sempre, até o fim da vida, até que, de repente, acabe. Em qualquer relacionamento amoroso que me desperte um sentimento profundo, me entrego de corpo e alma e cabeça e espírito e coração. Assim mesmo, sem vírgulas ou pontos, porque muitas das vezes falta-me o ar. A verdade é que amar superficialmente não tem graça. Bom mesmo é ir até onde der e quando não der mais, amar mais um pouquinho. É rasgar o verbo e logo após remendar as palavras ditas sem pensar, com colas de perdão. É chorar muito, até desidratar e logo após redesenhar o contorno da boca para que o riso seja maior e mais largo e mais intenso. Quando eu paro para pensar nas coisas que já fiz quando amei alguém – ou vivi algo com aqueles que despertaram em mim

Leia Mais
Refletindo

Não adianta insistir, algumas coisas possuem um prazo de validade na nossa vida. Pessoas também. Não raro, ignoramos certos sinais, claros e evidentes, que tentam nos mostrar o encerramento de um ciclo. Não enxergamos porque o coração não deixa. Ou não quer. Não nos ensinaram como dizer Adeus, ainda mais no pleno do sentimento. Um dia a gente descobre que amar não é o suficiente. Não existe felicidade diária, ou um relacionamento sem divergências. Uma relação pode, inclusive, terminar sem brigas. O que indica o fim é exatamente uma ausência de reação que o outro possa lhe causar. Pro bem e pro mal. Se o abraço dele não lhe provoca mais aquela sensação de conforto, é hora de repensar a paixão. A harmonia até existe, um entra pela casa e já vai lavando a louça, enquanto o outro deixa o lixo ao sair pela porta. Ao deitar, o casal promove

Leia Mais
Refletindo

Difícil entender como uma pessoa pode fazer isso com alguém que lhe deu tanto. Eu fui tudo pra esse cara. Um moleque, na verdade. Se transformou num homem, graças a mim. Eu o fiz acordar pra vida, mostrei que aquele emprego não lhe acrescentava nada e que ele deveria ter saído da casa da mãe. Sim, até lavei roupas dele, mas na cozinha ele se virava. De vez em quando eu até chegava em casa e o via passando a roupa, com a cama arrumada. Ele aprendeu que viver é muito mais do que um jogo de futebol. Virou responsável e cuidadoso, porém, infiel. Juro que tento, me esforço, mas é quase impossível conceber porque ele fez isso comigo. Estou aqui sentada na janela dessa sala vazia, olhando pra rua. Vejo os carros passando, a cidade pulsando e o meu coração em pedaços. O vidro serve como um espelho obscuro.

Leia Mais
Refletindo

Click é aquela sensação de que alguma coisa se modificou dentro da gente. É uma interrogação que o corpo se faz, um arrepio sem procedência, um sorriso espontâneo provocado pelo timbre da voz. Click é um sinal interno de que o seu dia mudou de nome a partir de então. Nunca esperamos o click. Pode ser num olhar, numa conversa ao telefone, ou em um esbarrão no meio da festa. Naqueles segundos em que os corpos se encontram, mas não se enxergam, você já sente algo estranho, familiar. O click é um sentimento confuso, sem identidade, chega quando quer e entra no peito sem avisar. Certa vez, o click apareceu antes mesmo de conhecê-la pessoalmente. Só de ouvir falar nela, senti uma empatia genuína, um carinho instantâneo e, a partir dali, minhas reações extrapolaram qualquer normalidade aparente. Eu só provocava um assunto com nosso amigo em comum. Sem me dar

Leia Mais
Refletindo

Uma das queixas que mais ouço de amigas e meninas em geral sobre caras, é sobre como eles são babacas, sobre o quanto elas só atraem caras que não prestam, etc. Vamos começar derrubando o primeiro mito: É raro um cara ser babaca com absolutamente todas as mulheres, isso quase nunca acontece. O mais comum é que o mesmo cara trate meninas diferentes de maneiras diferentes. Ou seja, o príncipe de uma é o sapo de outra e isso tem uma explicação. Todas que estão lendo devem ter aquela amiga cuja vida amorosa é mega simplificada, sem dramas, ela simplesmente conhece caras legais, namora ou não com eles, mas de qualquer forma eles nunca tentam enrolar e a coisa toda nunca gera grande stress ou mágoa, simplesmente se encaminha naturalmente, sem trauma. Essa amiga privilegiada tem o dom especial de só atrair os caras certos, ou no mínimo, caras “não

Leia Mais